Área Restrita



Total de Inscritos

9194

Vistantes Online

75

Total de Visitas

5025228

Bombeiros interessados em dar plantões nos hospitais da rede estadual durante as suas folgas serão selecionado dentro de 30 dias

 

As Secretarias de Saúde e de Defesa Civil do Estado definiram um novo plano integrado de combate a incêndios em hospitais da rede estadual. A parceria, firmada na tarde de quarta-feira (11.07) pelos Secretários de Estado de Saúde, Sérgio Côrtes, e de Defesa Civil, Coronel Sérgio Simões, prevê ainda a instalação de Postos de Prevenção Contra Incêndio e Pânico nas unidades, que são as brigadas de incêndio.


Será criada uma Comissão Mista entre as duas secretarias para a elaboração de um diagnóstico a respeito das necessidades das unidades de saúde. Esse parecer fica pronto em 30 dias, quando 1.450 militares interessados em dar plantões durante as suas folgas serão selecionados pelo Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro (CBMERJ).


Segundo o Secretário de Estado de Defesa Civil e Comandante-Geral do CBMERJ, Coronel Sérgio Simões, cada plantão representará gratificação no valor de R$ 350. A ideia é repetir na Saúde o exemplo de sucesso do Programa Estadual de Integração na Segurança (Proeis), realizado entre as Secretarias de Estado de Segurança e Educação – policiais militares trabalham em sua hora de folga do serviço regular na PM no patrulhamento de escolas da rede pública. Para isso, recebem a quantia de R$ 200, se forem oficiais, e R$ 150, se forem praças.


- Esse acordo permitirá que bombeiros capacitados atuem nessas unidades, gerando maior eficiência em casos como o do Hospital Universitário Pedro Ernesto, por exemplo. Além de valorizar nosso militar e dar a ele uma opção de atividade em seu horário de folga, teremos a garantia da execução plena da prevenção e combate a possíveis incêndios nas unidades de saúde do Estado – disse Simões, ressaltando que esta é a primeira vez que os bombeiros atuam fora da corporação em sua efetiva função de combate e prevenção de incêndios.


- Esse projeto contempla ainda o treinamento dos funcionários dos hospitais e preparo das unidades para as melhores rotas de fuga nos casos de incêndio. Num hospital, além da segurança pessoal dos profissionais, há o fundamental que é a manutenção da vida dos pacientes. Então esses bombeiros vão monitorar quem serão os coordenadores, quem vai ficar com os pacientes e pra onde serão levados. Ou seja, a organização completa do fluxo até a chegada dos bombeiros -, explica o secretário de Saúde, Sérgio Côrtes.




(*) Matéria produzida pela Assessoria de Comunicação Social da SEDEC/CBMERJ